Afinal, porque a diversidade é tão importante para a nova era das redes sociais?

Em 2021, as redes sociais movimentaram discussões sobre a participação do ator transsexual Thammy Miranda na campanha de Dia dos Pais da Natura. O episódio reaqueceu o debate sobre a importância de representatividade no marketing, uma vez que vivemos um momento de intenso relacionamento entre marcas e públicos. Nesse sentido, é importante compreender que o seu cliente é uma pessoa, que necessita de um tratamento individual e humanizado. Ele não é somente um número, um dado para o relatório final de vendas da empresa ou mais um lead que adquiriu o seu serviço.

Leia mais: Era do textão nas redes sociais: como escrever boas legendas

87% dos brasileiros, por exemplo, dizem pertencer a um grupo politicamente minorizado. Destes, 51% são mulheres, 53% são negros e pardos e 23% têm algum tipo de deficiência e/ou se definem LGBT. Por isso, entender a pluralidade e as reais necessidades da nossa população é também ser capaz de conversar com mais pessoas e atingir mais nichos para o seu negócio. 

E com a chegada de um novo ano, é importante poder refletir sobre quais marcas estamos deixando na sociedade. Sem sombras de dúvidas, o marketing digital impacta diversas pessoas. Mas será que a sua empresa está conseguindo produzir materiais que respeitem a todos? Ela é inclusiva ou segmenta, mesmo que de forma não proposital, alguns grupos? Será que isso causa impacto positivo dentro do seu resultado? Confira 4 estratégias que irão te ajudar a trazer mais diversidade e inclusão para suas estratégias:

1.  A busca por liberdade e autocuidado!

Há muito espaço para a beleza livre de padrões e nós, quanto produtores de conteúdo e profissionais de marketing, precisamos estar atentos e falar cada vez mais sobre isso. A busca das mulheres por seus desejos, aspirações profissionais e liberdade de seus corpos, por exemplo, vai muito além da estética. Cada vez mais ouvimos falar em auto aceitação e, nessa esteira, crescer novas tendências, principalmente quando se fala do campo digital. A transição capilar, por exemplo, é uma das buscas que registrou um grande salto nos últimos cinco anos, de acordo com o Google Trends.

Leia mais: A Psicologia das Fontes – Como A Tipografia Influencia na Percepção da Marca

Sendo assim, uma questão que vem à tona é: a sua marca ou agência pensa no papel da mulher em uma nova campanha? Os produtos da sua marca são desenvolvidos de forma igualitária do ponto de vista de mulheres e homens? Diversos fatores podem ser levados em conta na hora de planejar os próximos passos das suas estratégias.

2. Visibilidade trans: como ampliar o diálogo sobre diversidade e inclusão

O marketing tem o poder de reforçar ou quebrar estereótipos. Por isso deve ser constante a preocupação no desenvolvimento de campanhas e ações que respeitem as diversidades de culturas e pessoas. E quando falamos de pessoas trans e travestis, é fundamental debatermos a pauta durante o ano todo e não apenas em datas comemorativas. 

Ao enxergar com empatia o contexto de falta de oportunidades formais de trabalho e baixa expectativa de vida, é preciso refletir: como as agências podem contribuir mudando esse cenário? Seja empregando ou então dando a visibilidade necessária para a causa.

Leia mais: Gestão de crise nas redes sociais: o que fazer quando sua marca é jogada na fogueira da internet

3. Como a diversidade pode tornar sua comunicação mais eficiente

Falar sobre diversidade tem sido cada vez mais urgente na indústria da comunicação. Isso porque ser capaz de enxergar a pluralidade é fundamental para pensar e criar contemplando todos e todas. E as marcas e agências já entenderam que o tema gera um impacto direto nos negócios – uma estratégia baseada em inclusão, por exemplo, pode gerar uma valorização nas ações da empresa de 70%, em média, de acordo com Deloitte Digital’s Heat creates diversity ad score test.

4. Eficiência criativa e diversidade: uma combinação que traz resultados

Mostrar que seu negócio entende e se interessa pelas necessidades dos consumidores se tornou um passo fundamental para se destacar no mercado. É enxergando a diversidade de consumidores que sua marca pode descobrir que criar anúncios com mais pluralidade tem um significado ainda maior para o seu negócio e/ou agência.

 Anúncios culturalmente relevantes geram 1,5x intenção de conhecer mais sobre a marca, 2,7x intenção de comprar uma marca pela primeira vez, 3,8x recomendações e  50% intenção de comprar uma marca de novo, de acordo com dados do Cultural Insights Impact Measure. Dessa forma, a memória afetiva e identificação presentes nas copys aproximam o público, criando uma sensação de nostalgia e apego a marca. O público se vê, se identifica, consome e compartilha. Não se trata de aproveitar-se da memória de seus clientes, mas sim de oferecer uma experiência única e que os faça visitar lugares agradáveis da mente deles.

Para além do discurso, a diversidade precisa acontecer na prática

Os dados mostram que marcas mais plurais e inclusivas têm resultados muito melhores que a grande maioria, nos dias atuais. Os resultados são da pesquisa Edelman Earned Brand 2018 e indicam que o marketing de causa, aquele que aproxima as marcas e empresas de ações práticas que trazem benefícios à sociedade, ganha cada vez mais relevância na disputa pela atenção dos usuários.

Por isso, ao unir esforços, replanejar as estratégias e usar ferramentas e dados eficientes, sua agência ou marca pode ir muito além do discurso. Que tal repensar caminhos para uma atuação mais diversa e inclusiva em 2022?

Bárbara Teixeira

GESTORA DE CONTEÚDO RUNNINGDIGITAL

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn